Notícias

Os benefícios da desospitalização e não hospitalização do paciente oncológico

Uma realidade que pode até ser bastante frequente para alguns pacientes oncológicos são as constantes internações em hospitais. A maioria deles, que fazem o tratamento com quimioterapia (terapia mais adotada contra o câncer), passam por períodos de baixa de imunidade, a chamada neutropenia, e ficam mais suscetíveis a infecções causadas por bactérias, fungos ou vírus.

Isso ocorre porque o tratamento atua sobre as células cancerígenas, mas também pode afetar as células sadias. E entre elas estão os glóbulos brancos, responsáveis pela defesa do nosso organismo contra agentes externos. Com menos glóbulos brancos, o paciente pode apresentar mais doenças, desde gripes e resfriados até pneumonia, infecção intestinal, infecção urinária, entre outras.

Dependendo da gravidade da infecção, é necessário realizar o tratamento com antibiótico injetável ou intravenoso, levando à hospitalização do paciente. Embora pareça a solução mais viável, a internação também apresenta riscos para quem está lutando contra o câncer.

Quando o paciente oncológico passa por uma internação, ele tem acesso ao tratamento eficaz da infecção, mas também está sujeito a outros riscos. Ele perde a qualidade de vida, é privado do convívio da família, corre riscos de novas infecções, tromboembolismos, entre outros. Explica o cirurgião oncológico do ICB, Dr. Gustavo Gouveia.

Desospitalização e não hospitalização

É por isso que vem crescendo a prática da desospitalização (redução da permanência no hospital) e não hospitalização (não internação) do paciente oncológico para realizar este tipo de tratamento ambulatorialmente, isto é, em clínicas, fora do ambiente hospitalar.

Desospitalização é literalmente retirar o paciente do hospital, uma vez em que ele está internado, para dar continuidade domiciliar ou ambulatorial do tratamento. Já a não hospitalização é o ato de evitar a internação, tratando as intercorrências do paciente ambulatorialmente ou no domicílio.

Essas práticas são possíveis para clínicas que possuem centro de infusão próprio. Por meio dele, é possível promover atendimento a pacientes que necessitam de terapia assistida com aplicação de medicação intravenosa, intramuscular ou subcutânea, incluindo aplicação parenteral de antibióticos.

Um centro de infusão de excelência conta com médicos, farmacêuticos, enfermeiros, técnicos de enfermagem que respeitam um protocolo de admissão, analisando quais casos podem ser tratados no ambiente ambulatorial.

Benefícios para todos

O paciente tratado fora do hospital tem acesso a um atendimento mais humanizado, ganha qualidade de vida e fica afastado dos riscos de infecções hospitalares. Além disso, o tratamento ambulatorial representa menos custos para as operadoras de saúde.

Muitos pacientes possuem convênios no modelo de co-participação. Então, além de dos benefícios em relação à sua saúde, permanecer menos tempo no hospital ou reduzir as internações desnecessárias representam uma economia.

O ICB conta com o centro de infusões para tratamento de infecções e outras patologias que necessitam de medicação intravenosa, intramuscular ou subcutânea. Ainda é oferecido o atendimento, de segunda a domingo, para casos de desidratação, dor, êmese, evitando deslocamento do paciente ao sistema hospitalar para atendimento em pronto-socorro.

Remodal