Notícias

Pesquisa mostra que uso de aplicativo pode reduzir a dor de pacientes com câncer

Um estudo com 112 pessoas com tumores sólidos metastáticos descobriu que o uso de um aplicativo para smartphone baseado em inteligência artificial (IA) reduziu tanto a gravidade da dor relatada pelos pacientes como as internações hospitalares.

Após um período de oito semanas, os pacientes que usaram o aplicativo para monitorar e tratar a dor tiveram uma redução de 20% na intensidade da dor e tiveram um risco quase 70% menor de internações relacionadas à dor do que os pacientes que não usaram o aplicativo.

O aplicativo, chamado ePAL, foi projetado e estudado por uma parceria entre Partners HealthCare Pivot Labs, a Divisão de Cuidados Paliativos do Hospital Geral de Massachusetts e o Massachusetts General Hospital Cancer Center.

A pesquisa

Metade dos pacientes do estudo usaram o aplicativo ePAL, enquanto um número igual foi designado para o tratamento usual. Os pacientes que usaram ePAL receberam alertas em seus smartphones com dicas diárias de gerenciamento da dor e enviaram seus níveis de dor três dias por semana. A Inteligência Artificial do ePAL foi capaz de distinguir a dor urgente da não urgente e fornecer uma orientação adequada ao paciente em tempo real. Se a dor do câncer fosse grave ou piorasse, o aplicativo conectava os pacientes aos seus médicos para atendimento.

Resultados

A dor foi relatada em uma escala de 0 a 10, onde 10 é a pior dor imaginável. Todos os pacientes apresentavam graus de dor semelhantes no início do estudo. O nível médio de dor (4) não se alterou do início até o final do estudo para pessoas que recebem cuidados habituais. Para os pacientes que usaram o aplicativo, os níveis de dor diminuíram em 20%, caindo para 2,99 no final de oito semanas.

Além disso, ocorreram menos internações hospitalares relacionadas à dor para usuários do ePAL em comparação com pacientes que não usaram o aplicativo (4 versus 20). Por paciente, isso resultou em uma redução de 69% no risco de se ter uma admissão relacionada à dor durante o estudo para aqueles que usaram o aplicativo.

Agora, os coordenadores da pesquisa planejam desenvolver uma plataforma IA-Telessaúde ainda mais robusta e estudá-la em outros ambientes clínicos.

Existe uma escassez significativa de prestadores de cuidados paliativos, que só irá piorar no futuro, à medida que a nossa população envelhece. Esta é uma das razões pelas quais as soluções tecnológicas para ajudar a gerenciar os desafios dos cuidados paliativos, como a dor do câncer, são tão importantes, disse o principal autor do estudo, Mihir M. Kamdar.

Para ler mais detalhes sobre o estudo, acesse: http://bit.ly/2NLKfvc 

Remodal