O Momento da Quimioterapia

Os efeitos colaterais da Quimioterapia

Os agentes quimioterápicos destroem as células malignas mas também bloqueiam alguns processos metabólicos comuns aos tecidos sadios. São os tecidos com maiores índices de renovação, como a medula óssea, pele, mucosas, tecido gastrointestinal e cabelo, que acabam sendo afetados de forma indesejada (efeitos adversos) pela medicação.

Por isso, durante este tipo de tratamento, efeitos colaterais podem ocorrer, variando em frequência e intensidade de acordo com cada paciente.

Os efeitos colaterais mais comuns são: anemia, fadiga, suscetibilidade a infecções, mucosite, náuseas e vômitos, diarréia e alopecia (queda de cabelo). Alguns desses efeitos são transitórios, ocorrendo durante ou logo após aplicação do tratamento. Outros, no entanto, podem persistir um pouco mais ou mesmo, em alguns casos, durante todo o tratamento, tendendo a desaparecer após o término deste.

O médico ou a equipe de enfermagem deve ser avisado, caso você venha a sentir um ou mais dos efeitos colaterais citados, ou qualquer outro que não tenha sido mencionado. Atualmente, existem medicamentos de grande eficácia contra náuseas e vômitos (antieméticos), contra a diarréia e para o controle de praticamente todos os sintomas, com exceção da alopecia.

No período de tratamento, o paciente faz diversos exames de sangue para controle da contagem de neutrófilos, entre outros. A equipe médica fica sempre atenta a esses números, a fim de tomar as medidas de precaução contra infecções, quando necessárias. O paciente neutropênico deve tomar cuidados com a higiene, com a alimentação e evitar aglomerações e ambientes fechados.

O médico poderá prescrever uma medicação que estimule a produção de células sanguíneas para que as contagens se mantenham dentro de níveis aceitáveis; entre as mais freqüentemente utilizadas podemos mencionar os fatores estimuladores de leucócitos (G-CSF ou GM-CSF) ou hemácias (ERITROPOETINA) durante o tratamento quimioterápico. Após a quimioterapia, a medula óssea tende a retomar a produção normal de neutrófilos em dias ou semanas.

Prevenção e cuidados em relação a náuseas e vômitos durante a quimioterapia

1) Utilize as medicações conforme a prescrição (receita) médica.

2) Durante a semana da quimioterapia, evite alimentos condimentados, gordurosos ou muito doces.

3) Com a evolução das medicações, os vômitos são cada vez menos freqüentes, porém, se ocorrerem, deve-se sempre avisar a equipe que está tratando do paciente.

4) Caso haja vômitos, o paciente deve ser posicionado em decúbito lateral (deitado de lado) para evitar aspiração de alimentos. A pneumonia aspirativa ocasionada nessas situações é um evento extremamente grave e o paciente deve ser levado imediatamente ao hospital.

5) Permaneça sempre bem hidratado (aproximadamente 2 litros de líquidos por dia), consumindo sucos, água, chás ou mesmo refrigerantes.

6) Evite bebidas alcoólicas.

7) Caso as náuseas ou os vômitos não melhorem com as medicações prescritas, entre em contato com seu médico.

Alopecia (queda do cabelo) durante a quimioterapia

1) A alopecia é transitória. Com o término do tratamento quimioterápico o cabelo voltará a

crescer.

2) Nem todos os tratamentos quimioterápicos provocam alopecia.

3) Ao início do período de queda dos cabelos, aproximadamente na segunda semana pósquimioterapia, sugerimos, para seu maior conforto, cortar o cabelo e usar lenços ou perucas.

4) Use protetores solares incluindo o couro cabeludo, evitando queimaduras.

5) A potência ou a efetividade do remédio não é proporcional à queda de cabelos.

6) Com o início da alopecia ou enfraquecimento do cabelo, não pinte o cabelo, nem use secador de cabelos para fazer escova ou ¨chapinha¨. Esses procedimentos podem causar danos ao couro cabeludo.

Prevenção de infecções durante a quimioterapia

As infecções podem ocorrer devido à ação da quimioterapia nas células de defesa (os leucócitos ou glóbulos brancos). Um organismo com as defesas comprometidas pode desenvolver infecções oportunistas por bactérias e fungos. Nesse período, portanto, alguns cuidados se fazem necessários:

1) Banho morno diário com água a aproximadamente 37°C (temperatura corporal).

2) Lave freqüentemente as mãos durante o dia, especialmente antes de se alimentar, após ir ao banheiro ou logo após tocar em animais.

3) Realize revisão odontológica antes do início do tratamento; mantenha boa higiene oral

durante o tratamento.

4) Evite locais fechados e públicos, especialmente no período da neutropenia (ou seja, quando os leucócitos do organismo estão com as contagens baixas). Se você for ao shopping, ao supermercado ou ao cinema, vá em horários de menor movimento.

5) Evite contato com pessoas portadoras de doenças contagiosas tais como gripe, resfriado, varicela, etc., mesmo que sejam parentes.

6) Não faça imunizações/vacinas sem conversar previamente com seu médico.

7) Evite o contato com crianças que acabaram de ser vacinadas. Se você tiver contato com uma criança recém vacinada, certifique-se do nome da vacina utilizada e telefone para seu médico.

8) Não corte ou arranque cutículas das unhas dos pés ou das mãos; tenha cuidado ao cortar as unhas, não corte em demasia, evite cortes que predisponham a unhas encravadas.

9) Use loção hidratante para evitar o ressecamento da pele e conseqüente rachadura.

10) Limpe quaisquer ferimentos, tais como cortes ou arranhões, com água abundante e

sabão.

11) Não esprema nem arranque espinhas ou lesões de pele semelhantes.

12) Use barbeador/depilador elétrico em vez de lâmina.

13) Após eliminações intestinais, dê preferência para higiene com lenços descartáveis

umedecidos, como os que se usa para a troca de fraldas de bebês, ou ainda, utilize duchas higiênicas. Se houver desconforto ou sangramento avise o médico.

14) Evite o acúmulo de água parada em vasos de plantas, ou em umidificadores.

15) Evite contato direto com animais (pêlo, penas, saliva, excretas e unhas do animal), com a tigela de alimentos ou de água dos animais, com a caixa de lixo/fezes/urina de animais, com gaiolas de pássaros ou com aquários.

16) Use luvas para proteção se for realizar trabalhos de jardinagem.

17) Não coma alimentos de origem animal crus (peixe, frutos do mar, carne, ovos).

18) Lave bem saladas; utilize vinagre. Dê preferência para verduras cozidas, evitando alimentos crus.

19) EM CASO DE TEMPERATURA AXILAR MAIOR OU IGUAL A 37,8 C, AVISE

IMEDIATAMENTE SEU MÉDICO.

Prevenção e cuidados em relação a mucosite durante a quimioterapia

1) Evite ingestão de líquidos e alimentos muito quentes ou muito temperados.

2) Faça higiene oral através de bochechos e gargarejos com chá de camomila ou malva gelados.

3) Para pacientes que estiverem fazendo uso de Fluorouracil: ingira durante a infusão da

quimioterapia gelo ou alimento gelado (picolés).

4) Comunique seu dentista e faça uma revisão na vigência de tratamento oncológico.

5) Avise o Oncologista se surgirem pequenos pontos brancos nos lábios, língua e céu da

boca, semelhantes ao “sapinho”, pois pode tratar-se de uma infecção por fungo.

6) No caso de lábios secos, evite umedecê-los com a saliva; utilize manteiga de cacau ou

batom incolor.

7) Evite dormir com as próteses habituais. Deixe-as em um frasco com água e o anti-séptico bucal apropriado de sua preferência.

8) Troque a escova de dente a cada 10 dias.

9) Opte por escovas de dente macias.

10) Mais recentemente têm sido recomendadas aplicações de luz laser em muitos casos.

Converse com o seu médico a respeito.

Alterações no paladar

1) A quimioterapia pode alterar a percepção dos sabores

2) Trata-se de um efeito transitório (podendo alterar-se durante o tratamento).

3) Após o término do tratamento, gradativamente o paladar vai se reconstituindo.

 

Alterações do hábito intestinal (diarréia e constipação)

1) Alguns quimioterápicos podem provocar alterações intestinais, principalmente diarréias.

2) Aumente o consumo de fibras na sua dieta, como, por exemplo, mamão, suco de laranja (se a mucosa bucal estiver íntegra), ameixa seca e alimentos integrais.

3) Consuma bastante líquido (2 a 3 litros por dia).

4) Não use medicações sem o conhecimento de seu médico, principalmente antidiarréicos ou laxativos.

Fadiga

1) O tratamento poderá, em algum momento trazer cansaço ao paciente.

2) Mantenha atividades físicas moderadas, tais como caminhadas e hidroginástica.

3) Caso já pratique algum esporte, informe o médico e informe seu instrutor que está em tratamento.

4) Procure repousar.

 

Parestesias

1) Parestesia é a sensação de formigamento na ponta dos dedos dos pés e das mãos.

2) Na maioria das vezes é transitória.

3) É provocada pela retirada da mielina, uma espécie de capa de proteção dos nervos, causada por alguns quimioterápicos.

4) Procure usar meias e calçados confortáveis.

5) Mantenha as unhas bem aparadas.

6) Comunique seu médico se a parestesia estiver aumentando ou se estiver associada à perda de força e dor.

Sugestões úteis para acompanhantes / responsáveis de pacientes em quimioterapia

1) Higiene corporal – Banho

a) Deixe que o paciente escolha a melhor hora para o banho.quimioterapia

b) Se ele puder tomar banho sozinho, organize todo o material necessário e coloque próximo dele.

c) Não deixe-o completamente só, pois poderá precisar de sua ajuda.

d) Verifique a temperatura da água. Se houver redução da sensibilidade de algumas áreas do corpo, ele não perceberá as temperaturas muito altas.

e) Estimule-o a escolher suas próprias roupas, perfume, sabonete, etc.

2) Higiene Bucal

a) A higiene bucal deve ser feita pela manhã, à noite e após cada refeição.

b) Procure uma escova de dentes bem macia, que se adapte melhor às necessidades do

paciente.

3) Cuidado nas refeições

a) Estimule o paciente, sempre que isso for possível, a fazer suas refeições sem ajuda,

mesmo que no começo ele o faça muito lentamente.

b) A cabeceira deve estar bem mais elevada se a refeição for feita no leito (travesseiros

podem ajudar a alcançar a melhor posição).

c) Não esqueça de oferecer líquidos, mesmo que o paciente não os solicite. Lembre-se que é importante mantê-lo hidratado.

d) Observe se as refeições estão sendo bem aceitas. Caso contrário, avise o médico.

e) Ofereça sempre pequenas quantidades de comida e permita que o paciente escolha entre várias opções de alimentos.

f) Observe a temperatura do alimento antes de servi-lo. Lembre-se que o paciente pode ter alguma redução na sensibilidade, o que dificulta a percepção da temperatura, podendo ocasionar queimaduras na boca.

4) Cuidados na hora dos remédios

a) A organização dos remédios (doses e horários) deve ser feita com muita atenção. Se houver alguma dúvida, esclareça-a com os médicos antes de oferecer os remédios.

b) Não ofereça comprimidos, cápsulas ou outros medicamentos que devam ser engolidos

quando o paciente estiver deitado. Na hora da medicação, eleve bem a cabeceira ou vire o paciente de lado. Caso não possua cama adaptada, usar travesseiros ou almofadas grandes.

c) Se houver dificuldade de engolir os comprimidos, triture-os ou dissolva-os em pequena

quantidade de água.

d) Não esqueça de sempre verificar a DATA DE VALIDADE dos medicamentos.

e) Não tome outros medicamentos, comprimidos, pílulas que não sejam do conhecimento de seu médico. Isto inclui analgésicos, vitaminas ou qualquer outra substância.

f) Alguns medicamentos podem interferir na quimioterapia. Você deve levar para a consulta a lista dos medicamentos que estão sendo utilizados antes de iniciar o tratamento com quimioterapia. Esta lista deve conter:

• Nome de cada remédio

• Dosagem de cada medicamento

• A razão para estar tomando o remédio

• A frequência com que o medicamento vem sendo utilizado

5) Lavagem das mãos

a) Pegue seu sabonete ou o próprio sabão de lavar roupas e esfregue as mãos por um minuto; enxague-as, tirando todo o sabão desta primeira lavada.

b) Torne a passar o sabão e, desta vez, concentre-se nos dedos e unhas. Procure lavar dedo por dedo de todos os lados.

c) Seque suas mãos com uma toalha bem limpa.

6) Transporte para cadeira de rodas ou para cama

a) Coloque a poltrona ou cadeira de rodas bem próxima à cama, de preferência do lado não afetado do paciente.

b) Quando for transferir o paciente para a cadeira, traga-o para a beirada do leito.

c) Não se afaste neste momento, pois ele poderá ter tontura e cair.

d) Apóie os braços dele sobre seus ombros.

7) Como ajudar a ir ao banheiro

a) A pessoa enferma freqüentemente precisará de ajuda para ir ao banheiro. Procure lhe dar a maior privacidade possível. Se houver outras pessoas no quarto, peça para que elas saiam por um instante.

b) Em vez de fazer suas necessidades no leito, é preferível que o paciente vá ao banheiro

(sozinho ou acompanhado), mesmo que seja com alguma dificuldade. Coloque no banheiro todo o material de higiene que ele poderá precisar em lugar de fácil alcance.

8) Dieta

a) Não é necessário restringir alimentos, salvo nos casos em que já esteja em tratamento

dietético, como diabetes e hipertensão.

b) Dê preferência para alimentos cozidos e fervidos.

c) Evite alimentos crus.

 

IMPORTANTE: NUNCA TOME MEDICAMENTOS, CHÁS CASEIROS OU RECEITAS DE

AMIGOS SEM O CONHECIMENTO DE SEU MÉDICO ONCOLOGISTA.

A ENFERMAGEM ESTÁ DISPONÍVEL PARA ESCLARECIMENTO DE DÚVIDAS. LIGUE

SEMPRE QUE PRECISAR.

 

Fonte:

• Copyright © 1996-2004 INCA – Ministério da Saúde. Controle do Câncer: uma proposta de integração ensino-serviço. 2 ed. rev. atual. – Rio de Janeiro: Pro-Onco. 1993.

• US National Institutes of Health. National Cancer Institute. www.cancer.gov

• BONASSA, E M A. Enfermagem em Terapêutica Oncológica. São Paulo: Editora Atheneu, 2000.

• AUGUSTO, A L et. al. Terapia Nutricional. São Paulo: Editora Atheneu, 1995.

• WILLIAMS, S R. Fundamentos de Nutrição e Dietoterapia. Porto Alegre: Editora Artes Médicas, 1997.